Performancing Metrics

Nematoides x soja: imperdível entrevista com Waldir P. Dias

O Dr. Waldir Pereira Dias, experiente pesquisador da Embrapa/Soja e um dos mais requisitados especialistas em nematoides parasitas da soja, gentilmente concedeu entrevista ao site ‘nematologia.com.br’ respondendo a quatro questões básicas sobre o assunto. Confira a seguir a íntegra de sua entrevista e aproveite as respostas para aprender mais, atualizar-se e esclarecer eventuais dúvidas.

1)  Dr. Waldir, em linhas gerais, quais os fitonematoides que mais preocupam, no momento, nas áreas produtoras de soja, com ênfase à região Centro-Oeste?  Pratylenchus brachyurus continua a ser um grande incômodo em termos de manejo?

Em ordem decrescente de importância, pode-se afirmar que os maiores danos em soja nesta região têm sido provocados por Pratylenchus brachyurus, Heterodera glycines, Meloidogyne  javanica, Meloidogyne incognita e Rotylenchulus reniformis. A maior importância de P. brachyurus, deve-se à sua dispersão generalizada na região e à dificuldade em manejá-lo. Como cultivares de soja resistentes a ele não estão disponíveis (praticamente não há fontes de resistência e a seleção é muito trabalhosa) e os agricultores insistem em fazer dois cultivos por ano na área,  em geral soja-milho, as populações do nematoide no solo atingiram níveis muito altos. Assim, o rendimento da soja passou a ser comprometido, especialmente em lavouras instaladas em solo com textura arenosa (<15% de argila) e em anos com má distribuição de chuvas (seca). A semeadura de crotalárias (C. spectabilis ou C. ochroleura) ou de certos milhetos com fatores de reprodução do nematoide próximos a zero (apenas ajuda em solos com textura de média a argilosa), após o cultivo da soja, tem sido a estratégia utilizada pelos agricultores para minimizar o problema. Entretanto, a utilização dessas espécies vegetais apenas na entressafra não zera a população do nematoide no solo. Assim, após novo cultivo de soja na área, a população de P. brachyurus volta a crescer assustadoramente, exigindo que a semeadura do adubo verde ou do milheto se repita a cada entressafra.

2) A Embrapa/Soja sempre teve atuação destacada na solução dos problemas causados por nematoides na sojicultura, com destaque ao período em que o nematoide de cisto surgiu no País, nos anos 1990. Para a presente safra, houve novidades em termos de cultivares visando ao manejo de fitonematoides?

O desenvolvimento de cultivares resistentes a nematoides, com ênfase aos nematoides de galhas (Meloidogyne incognita e M. javanica) e ao nematoide de cisto, é uma das principais estratégias do programa de melhoramento genético de soja da Embrapa. O número de cultivares resistentes a essas espécies liberadas pela instituição tem sido  expressivo (clique aqui e confira tabela a respeito). Contudo, ainda existe carência de cultivares adaptadas para várias regiões, sobretudo no caso do nematoide de cisto (NCS), cuja variabilidade genética no País é muito alta. A grande maioria das cultivares de soja resistentes ao NCS liberadas são adequadas apenas para as raças 1 e 3. ‘Pintado‘ (resistente às raças 1 e 3 e mod. resistente à maioria das raças do NCS), ‘Conquista’ e ‘Valiosa RR’ (resistentes a M. incognita e M. javanica)  são exemplos de cultivares da Embrapa que contribuíram e ainda contribuem para que os agricultores produzam soja economicamente em áreas infestadas. Um fator que tem dificultado a utilização das cultivares de soja resistentes a nematoides no Brasil é o fato de a maioria delas ser de ciclo semi-precoce ou tardio. O agricultor, por razões econômicas e também para escapar da ferrugem asiática, prefere cultivares mais precoces, em geral suscetíveis aos nematoides, mas que permitem o plantio de milho ou de algodão na safrinha. Assim, o problema com nematoides no País se agrava a cada safra.

3) Tem sido noticiado o interesse da parte de certos produtores no plantio de cultivares geneticamente não modificadas, visando aos mercados onde tal tipo de soja é  valorizada. Nesses casos,  quais os cuidados recomendados  em relação aos fitonematoides? 

Os cuidados com os fitonematoides são os mesmos, tanto para a soja convencional quanto para a soja geneticamente modificada. A priorização da semeadura da soja convencional inclusive tem contribuído para minimizar os danos com nematoides na cultura, pois o número de cultivares convencionais resistentes a nematoides é muito superior ao das geneticamente modificadas. No caso da Embrapa, uma das poucas obtentoras de cultivares que não desativou o programa de melhoramento de soja convencional, o cultivo da soja “livre” tem sido muito benéfico, pois permitiu à empresa aumentar a sua participação no mercado de sementes de soja, especialmente no caso daquelas convencionais resistentes a nematoides, como ‘Pintado’, ‘Chapadões’, ‘BRSMG 810C’, ‘Vencedora’, ‘Conquista’ e ‘ BRSMG 752S’, entre outras.

4) O manejo dos nematoides na soja, em especial no plantio direto, depende muito da correta identificação das espécies ocorrentes na área infestada e da adequada escolha das culturas a serem utilizadas no esquema local de sucessão (ou de rotação). Onde poderiam os interessados obter as muitas informações técnicas a respeito do assunto já produzidas pela Embrapa/Soja?

Essas informações, em sua maioria, estão publicadas como resumos, principalmente nos Anais dos eventos “Reunião de Pesquisa de Soja da Região Central do Brasil”, “Congresso Brasileiro de Nematologia” e “Congresso Brasileiro de Soja”. No site da Embrapa Soja (www.cnpso.embrapa.br), anualmente, também é disponibilizada para consulta a publicação “Tecnologias de Produção de Soja-Região Central do Brasil”. Ali, o produtor ou o técnico pode ter acesso a todas as informações inerentes às tecnologias para cultivo da soja nas diferentes regiões do Brasil. Além disso, há um vídeo da Embrapa, muito atual, que trata justamente dos problemas causados pelos nematoides da soja e de possíveis esquemas para o manejo deles, o qual está disponível logo a seguir.

Categoria: Brazil  Tags: ,
Você pode receber todas as mensagens assinando nosso RSS 2.0 feed. Você pode deixar uma resposta, ou voltar para a página principal.
Uma Resposta
  1. Clóvis do Lago Albuquerque disse:

    Parabéns pela reportagem.
    Muito informativa e bem transparente.

    Att.

    Clóvis Albuquerque
    Coordenador Programa Soja Livre

Deixar uma resposta

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*