Performancing Metrics

Arquivos para a categoria »Brazil «

ATENÇÃO DOCENTES DE NEMATOLOGIA: CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM CUIABÁ – INSCRIÇÕES ABERTAS!

Vimos anunciar que a SBN, em parceria com a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), promoverá mais um curso gratuito de atualização em Fitonematologia. Com uma programação de aulas teóricas e práticas (total de 24 horas-aula), o curso tem como público-alvo professores da região Centro-Oeste que lecionam Fitonematologia em disciplina (s) de curso de graduação de Agronomia, mas não tiveram ainda formação aprofundada na especialidade. Docentes de outras regiões/localidades poderão participar apenas se as vagas não forem totalmente preenchidas.

O curso será realizado de 26 a 28 de julho de 2018, no campus da UFMT em Cuiabá, tendo como coordenadores/instrutores dois nematologistas de grande experiência e conhecimento dos problemas fitonematológicos do Centro-Oeste brasileiro: Dr. Paulo Afonso Ferreira (UFMT, campus Universitário do Araguaia) e Dr. Giovani O. Arieira (UFMT, campus Universitário de Cuiabá), vistos nas fotos anexas. São oferecidas apenas 15 vagas. Interessados devem se inscrever logo, pois os cursos anteriores, realizados em Recife, Barra do Garças e Umuarama, tiveram lotação esgotada rapidamente! Confira todos os detalhes e a programação completa do curso clicando aqui.

Para solicitar a sua inscrição, há necessidade de se preencher uma ficha/formulário; para fazer download/baixar a ficha, clique aqui ! Após preenchida a ficha, envie-a ao e-mail pauloafonso@ufmt.br, colocando no assunto “INSCRIÇÃO NO CURSO”. A confirmação de sua participação no curso será também enviada por e-mail. Eventuais esclarecimentos adicionais podem ser obtidos através do e-mail informado acima.

Uma perda muito sentida por todos: John Sulston

No último dia 06 de março, morreu John Sulston (1942-2018), líder da contribuição britânica ao projeto internacional de sequenciamento do genoma humano. Sulston levou a sério a indiferença – vinda de seus pais – em relação à riqueza material e, graças ao seu desejo de trabalhar pelo bem comum, persuadiu financiadores e colegas pesquisadores a disponibilizar, gratuitamente, a sequência completa do genoma humano à comunidade científica mundial. Mas, para chegar ao genoma humano, John Sulston começou os estudos com um nematoide. Tanto que, em 2002, dividiu o Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina pela contribuição ao entendimento de como os genes controlam o destino das células no desenvolvimento de Caenorhabditis elegans.

Cursou Ciências Naturais na Universidade de Cambridge, no Reino Unido, onde também se doutorou. O pós-doutorado foi na Califórnia, EUA, onde conheceu Francis Crick, codescobridor da dupla hélice do DNA. Crick o recomendou para uma vaga em Cambridge no Laboratório de Biologia Molecular, quando de retorno ao Reino Unido. Em 1969, Sulston se juntou a um pequeno grupo liderado pelo geneticista Sydney Brenner. À procura de organismo modelo que permitisse explorar as interações de genes, desenvolvimento e comportamento, Brenner escolheu C. elegans, com apenas 959 células quando adulto, mas tem intestino, sistema nervoso, gônadas e um repertório de comportamentos para se mover, se alimentar e se reproduzir. Esses estudos fizeram com que, mais tarde, em 2002, dividisse, com outros colegas, mais um Prêmio Nobel pelas pesquisas sobre a regulação genética do desenvolvimento de órgãos e morte celular programada.

As pesquisas de Sulston em genômica já vinham sendo levadas avante desde 1983 e, como ferrenho defensor do sistema de publicação de artigos com os dados abertos (open-access), em outubro de 2004, participou da publicação na revista Nature, disponível a toda comunidade científica, da sequência do genoma humano, com 99,99% de precisão. Depois disso, dedicou-se a escrever e falar em apoio ao sistema de publicações open-access e, mais amplamente, sobre a relação entre ciência e sociedade. Empolgado e articulado, conquistou o público com sua humildade e paixão pela ciência. Seu obituário está publicado na Nature 555: 588 (2018). [JMCC]

RELEVANTE: “formar pensadores, não só especialistas”

Artigo muito interessante e instigante, de autoria de Gundula Bosch, vem de ser publicado há poucas semanas na revista Nature e tem sido, desde então, causa de inevitável controvérsia no ambiente científico. O artigo está em inglês bem acessível e sua leitura afigura-se muito adequada aos orientadores acadêmicos de todo o mundo, inclusive do Brasil, e aos pós-graduandos em geral, mas  em especial aos doutorandos, segmento diretamente visado pela autora já no título do trabalho. Para acessar/baixar o PDF do artigo, clique aqui!

Apoiada em dados recentes obtidos a partir experiências aplicadas a turmas de estudantes avançados de pós-graduação na área médica de sua instituição de ensino superior (Johns Hopkins University – Maryland, EUA),  a autora defende em seu artigo a opinião de que hoje em dia os orientadores científicos estão muito mais preocupados em formar apenas pesquisadores especialistas do que verdadeiros pensadores.  No artigo, são relatados detalhes sobre a experiência realizada, que incluiu (no currículo aos candidatos a PhD) a disponibilização de várias disciplinas não vinculadas apenas à área médica, mas também outras nas quais discussões mais amplas sobre Ética, Economia, Sociologia, entre outros temas de atualidade estavam contemplados. Como era de se esperar, a questão vem suscitando debates a respeito, com pontos positivos e negativos, na ótica principalmente dos orientadores, sendo alistados e comentados; restou claro, porém, que o valor dessa postura inovadora impactou a chamada Academia e que, aos poucos, passado o clamor inicial, muitos entenderam a necessidade de  refletir mais sobre o tema.

Em consonância com tal linha de atuação, é bom que se diga que, no âmbito da SBN, por deliberação em assembleia, já foi aprovado que pelo menos um tema de interesse geral – não nematológico – e de notória relevância à formação intelectual dos nossos kids (mestrandos e doutorandos) seja apresentado durante os congressos anuais, a partir do evento de Bento Gonçalves/2018 (35ºCBN). Confiram o artigo, docentes e pós-graduandos !