Performancing Metrics

Arquivos do blog

CONCURSO DOCENTE: professor de Fitopatologia na Bahia

Resultado de imagem para universidade estadual feira de santana

A Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS)/ Bahia lançou edital em que são abertas várias vagas a cargos de docentes através de concursos. Uma delas é para professor substituto (duração de 12 meses, com possível prorrogação posterior) na área de Fitopatologia no âmbito do Departamento DCBIO; exige-se dos interessados, nos termos do edital, “graduação em engenharia-agronômica/ agronomia ou bacharelado em Ciências Biológicas com, no mínimo, especialização em Fitopatologia”. As inscrições ocorrerão no período de 18 a 29 de setembro e o processo seletivo envolverá três etapas: entrevista; prova de títulos; aula pública. Para conferir todos os detalhes adicionais a respeito do concurso, clique aqui e consulte o edital

IFGoiano/Urutaí: I Simpósio em Proteção de Plantas !

Image result for instituto federal goiano urutaí Image result for instituto federal goiano urutaí Image result for instituto federal goiano urutaí

No período de 19 a 20 de outubro p.f., o IFGoiano/Campus Urutaí estará sediando o I Simpósio em Proteção de Plantas. O evento se destina a profissionais das áreas fitotécnica e/ou fitossanitária, produtores rurais e estudantes dos mais diversos níveis (G/PG). Com o tema central “atuais desafios em Fitossanidade”, serão oferecidas palestras, mesas redondas, apresentações orais e sessões de pôster ilustrativos de trabalhos sobre o manejo de plantas daninhas, pragas e doenças (nematoses incluídas). Clicando-se neste link poderá se conhecer mais detalhes sobre o simpósio e neste outro toda a intensa programação prevista. Atenção que a submissão de pôsteres, a princípio, irá até 18 de setembro! Os investimentos para participação serão de 25 reais a estudantes e 50 reais a profissionais. Para saber como se inscrever, consultar o site do evento ! (Colaboração: Gleina Costa/Fernando Godinho)

ARTIGOS DE IMPACTO: sobre a diversidade de nematoides

Há muito tempo, tem sido amplamente aceito que, em relação à macrobiota (plantas superiores e animais vertebrados), prevalece aumento na biodiversidade à medida que se afasta das regiões polares e se avança em direção à linha do Equador, seguindo tal distribuição espacial modelos definidos e já bem documentados. No entanto, para a microbiota (nematoides incluídos), não existiam estudos aprofundados a respeito, assumindo-se empiricamente que tais organismos fossem de ocorrência cosmopolita e a eles não se aplicassem modelos espaciais de distribuição. Todavia, pesquisas recentes levaram à conclusão de que não é isso o que acontece !

Sim, graças à qualificada equipe liderada pela Dra. D. L. Porazinska (Universidade da Flórida), a partir de 2010 foi publicada uma série de artigos de grande impacto através dos quais foi possível se confrontar, de modo altamente detalhado, as composições das nematofaunas ocorrentes em duas florestas úmidas, uma localizada em área de clima temperado (EUA) e outra típica da zona tropical (Costa Rica). Nesses estudos, para as análises da riqueza e diversidade dos taxa nematológicos encontrados em três ambientes distintos dentro das florestas – solo, material em decomposição sobre o solo e parte aérea (tronco/ramos/copa) – usaram-se avançados métodos da Ecometagenética, capazes de produzir resultados impressionantes quanto ao número e à variedade.

Verificou-se – o que constitui grande novidade científica na área da Ecologia – que os componentes da microbiota, como os nematoides, não são formas cosmopolitas e que as suas distribuições espaciais seguem, sim, padrões típicos de distribuição, a exemplo dos macrobiota. Entre outras, três conclusões relevantes foram de que: i) nas duas florestas, os números de taxa de nematoides ainda não conhecidos da Ciência obtidos durante os estudos foram muito superiores aos de taxa já descritos; ii) a riqueza de nematoides na floresta tropical foi três vezes maior que a da floresta temperada; e iii) a diversidade da nematofauna nos três estratos avaliados foi diferente entre as duas florestas, revelando-se muito maior na parte aérea (ramos/ tronco/ copa) do que no solo (20%) no caso da floresta tropical (Costa Rica) e superior no solo (80%) frente à parte aérea na floresta temperada (EUA). Muitos desses dados, e outros mais, estão reunidos num dos excelentes artigos resultantes dessas ótimas pesquisas, que pode ser conferido e salvo clicando-se aqui.

Vê-se que estudos sobre a nematofauna da fitotelmata (= conjunto de espaços ocupados por água nas cavidades dos troncos, nas axilas de ramos, em plantas epífitas e nos tecidos de musgos ou outras estruturas do dossel) de plantas de florestas tropicais, linha de pesquisa já desenvolvida no Brasil por nematologistas na UENF/RJ, estão agora ainda mais justificados e a demandar novos adeptos. Nematoides, sempre surpreendendo…